segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

RIO COMPRIDO



Denominação e História.


O Rio Comprido é um bairro de classe média-baixa, e classe média da Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro no Brasil. O seu nome decorre do rio que nasce na Floresta da Tijuca, que percorre o bairro, e que desagua na Baía da Guanabara.



No século XVII, neste vale fluvial, era plantada a cana-de-açúcar, e o açúcar produzido era escoado por um trapiche em embarcações que o conduziam até à baía e ao porto do Rio de Janeiro.



De acordo com o historiador Noronha Santos, pode-se fixar como marco no desenvolvimento da região correspondente os atuais bairros da Cidade Nova, do Catumbi e do Rio Comprido. O Alvará-Régio de 26 de Abril de 1811, que concedeu a isenção da décima urbana aos prédios assobradados ou de sobrado, que se construíssem nas novas ruas abertas, desde o princípio do século.



O Rio Comprido era então, uma área ocupada por chácaras de pessoas abastadas, entre as quais, ingleses ("Chácara dos Ingleses"), além das do bispo Frei Antônio do Desterro, de onde as denominações "Largo do Bispo" (atual Praça Condessa Paulo de Frontin) e Rua do Bispo. Nessa propriedade passaria a funcionar, desde 1891, o Seminário São José, transferido da Rua da Ajuda, no sopé do Morro do Castelo.



O principal logradouro do bairro era a Avenida Rio Comprido (atual Av. Paulo de Frontin), com uma extensão de 1.600 metros, aberta em 1919, na gestão do prefeito Paulo de Frontin à época do governo do presidente Delfim Moreira.



Esse bairro elegante, de moradias (casas) de alto nível, abrigava três clubes que aumentavam o lazer dos moradores: o "Clube Desportivo do Rio de Janeiro" (Clube Alemão), com seu campo de "futebol society", gramado maravilhoso (guardado pelo velho Pocidônio), suas pistas de boliche e o ginásio para ginástica olímpica, o "Clube Ibéria" (com sua "micro piscina", quadra de esportes, elevador e gruta), já extinto, e o Clube Minerva, na rua Itapiru, cujo ponto forte era o "futebol de salão".



Com a escalada da decadência, os tradicionais moradores mudaram-se, registrando-se uma acentuada queda no índice de qualidade de vida do bairro, atualmente cercado por favelas como o Turano, o Fogueteiro, o Querosene e o Complexo Paula Ramos, marcadas pela violência, trafico de drogas, prostituição e pela exclusão social.





Largo do Rio Comprido – Início do Séc. XX





Largo do Rio Comprido - 1915





Praça Condessa Paulo de Frontin – 1915





Av. Paulo de Frontin - 1916











Av. Paulo de Frontin - 1921





Praça Condessa Paulo de Frontin – 1922





Av. Paulo de Frontin – Anos 20





Rio Comprido - 1928























Rua Costa Ferraz - 1928





Rua Itapiru – 1928







Av. Paulo de Frontin – 1928

















Rio Comprido (Amparo Feminino) - Anos 50´s







Rua Itapiru - 1967