segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

FAVELA DO ESQUELETO / UERJ

Favela do Esqueleto foi uma favela que existiu até o início da década de 60 do século XX no local onde hoje encontra-se a UERJ, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, no bairro do Maracanã, zona norte do Rio de Janeiro. Graças ao então polêmico governador da Guanabara Carlos Lacerda, a favela foi removida e seus moradores foram assentados, em sua maioria, para a zona oeste da capital fluminense, mas precisamente em Bangu, em Vila Kennedy.



Favela do Esqueleto (Atual UERJ) - Início dos Anos 30


Favela do Esqueleto (Atual UERJ) - Anos 50


Favela do Esqueleto (Atual UERJ) - 1957



UERJ – Final dos Anos 60


Nessa foto vemos em primeiro plano o início dos trabalhos de sondagem e fundação da UERJ.

Ao fundo vemos em destaque o Esqueleto, estrutura nunca concluída de uma das alas de um enorme hospital que seria construído incialmente pela inciativa privada e posteriormente pelo poder público e que nunca passou do esqueleto incompleto de um dos prédios imaginados do que seria o Hospital das Clínicas da Universidade do Brasil.

A favela começou a surgir logo após da construção do Maracanã, quando o terreno foi invadido, incialmente os barracos foram sendo construídos em torno do esqueleto, parte de melhor terreno, mas em poucos anos a favela já era uma das maiores da cidade e possuia uma enorme quantidade de tipos de barracos. Dos mais elaborados, quase casas populares, passando por barracões de madeira, bem estruturados até precárias palafitas em uma área pantanosa num dos braços do Rio Joana. Também haviam barracos do tipo apartamento dentro da estrutura abalada do esqueleto, que havia sofrido seguidos incêndios.

Na época da nossa foto a favela já havia sido removida e vemos as sondagens para a construção dos blocos que formam o Pavilhão João Lyra Filho, atrás vemos o velho esqueleto em obras para se transformar no Pavilhão Haroldo da Cunha Lisboa.

O Pav. Haroldo da Cunha Lisboa é um marco da recuperação estrutural à época, pois os engenheiros da Guanabara além de restaurarem uma estrutura aparentemente condenada permitiu-se a construção de mais um andar sobre ela, o que vemos na foto.

Todos sabem que a região sempre foi complicada, sendo o desague da água que vem pelas bacias dos Rios Trapicheiros, Joana e Maracanã, descendo pelos vales da grande Tijuca desde o Alto da Boa Vista, até encontrar a área de baixada, onde não só a UERJ está instalada, mas também o Maracanã, e boa parte da região dos Bairros do Maracanã e Praça da Bandeira, que formavam um mangal há muito tempo atrás.

A condição de salubridade da Favela do Esqueleto demonstrava bem a característica da região, pois vários trechos da favela eram construídos em palafitas.

Para contornar esse problema, os engenheiros da Guanabara, além de promoverem o aterro de uma parte do terreno, criaram gigantescas galerias de águas pluviais para drenar não só o excesso das águas das chuvas como também dissecar um pântano formado por um pequeno braço do Rio Joana que passava pelo local, além de conduzi-lo.




UERJ - Início dos Anos 70



16 comentários:

  1. Parabéns pelo blog! Continue com o excelente trabalho!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom!
    E lembrem-se que estas fotos são relíquias, preserve-as muito bem guardadas.

    ResponderExcluir
  3. excelente blog, parabéns pelo trabalho! já está nos favoritos

    ResponderExcluir
  4. Show! Ótimo texto e ótimas fotos!

    ResponderExcluir
  5. eu moro em campos dos goytacazes nasci no rio bairro maracana em 1973 eu tinha 10 anos eu morava na rua sao francisco xavier nº520 as casas eram tipos chacaras grandes onde moravam várias pessoas hj é o pavilhao da uerj eu queria tanto saber se existe essas fotos dessas casas e se pudesse postar pra mim ficarei muito grato. obrigado edimar

    ResponderExcluir
  6. Eu não sabia que o primeiro nome da UERJ era UEG.....seria.....Universidade Estadual da Guanabara?

    ResponderExcluir
  7. Anônimo 22/08/2013 13:33
    Sim, aqui era o Estado da Guanabara. A (con)fusão em 1974 foi o golpe final na distribuição dos recursos. Hoje o imposto que eu pago vai para o interior e outros lugares do pouco desenvolvido estado fluminense. A Guanabara era sensacional. Supra sumo. A inveja dos que não são daqui chega a ponto de tramarem esse assalto contra a população carioca que foi a fusão da Guanabara com o Rio de Janeiro. A capital do Rio de Janeiro era Niterói.

    ResponderExcluir
  8. Fui aluno e formando da UERJ ao tempo em que nenhum "gênio" sequer tinha imaginado essas tais "cotas raciais". Fico imaginando se, na época, em vez de um político-administrador já houvesse oportunistas, politiqueiros e "ONGs" parasitárias ( matéria pública e notória ) como as de hoje...Teríamos mais uma favela com os "investimentos" de praxe ( "Bolsa-Família", "Minha Casa, Minha Vida", "Minha Casa Melhor", etc. )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também estive na UERJ em seus inícios...Era totalmente dominada por militares... O nosso "professor" de fundamentos bibliográficos era um Coronel ___ e , imaginem, enquanto já era norma nos darem folhas mimeografadas, este Coronel nos ensinava obrigando a copiar cada "regrinha" em quadro de GIZ...Imagine!... Hoje todos sabem que estas normas deve ser ensinadas debatendo-as se possível... São notas que no decoreba se esquece... Nem todos eram assim ... É evidente...Valor pessoal nunca deixou de existir...O Patrono Cultural era ODILO COSTA FILHO, o célebre poeta... ( hoje quase esquecido )Mas era um valhacouto de muito demônios...Um dos professores, eminente linguista e filólogo ( não cito o nome pelo respeito intelectual que tenho por ele___ nem tudo é política : bondade, respeito intelectual, luta por inclusão e dignidade são valores eternos___ desde o primeiro escravo que conseguiu se libertar__ e o cultivo deve ser pessoal, ou involuímos ) percorria os corredores arrancando os cartazes do GRÊMIO, única estrutura política estudantil ainda permitida...e vigiada ___é lógico ) Depois, é dos prédios mais lúgubres que o CONDE ( arquiteto ) construiu..Inspirado na ALEMANHA... O lugar era tão medonho que era ali que os estudantes em crise na década de 70 pro fim escolhiam para se atirar... Era um convite ao suicídio... Depois da democracia, mudou muito...Antes era um braço gélido não da CIA, mas do ignorantês que dominou esse país..E lutamos por com que acabe... Com mais HUMANIDADE ... Lamento ___ acho que não estivemos no mesmo lugar...Ventura tua, Azar meu...Mas um AZAR que tem culpados!... Não esqueçamos...Minha sorte foi sair dali... O Inferno aos poucos vai nos modelando demônios...O ESQUELETO foi vencido...pena que muitos ainda amam mais a morte, a desigualdade____ do que a vida...Olha, lamento !... E cito com DRUMMOND : " Toda (má) HISTÓRIA...é Remorso... "Felicidades Inclusivas. j sunny ( recanto das letras __poesia) FELICIDADES!...# poemas ilustrados blogspot . com

      Excluir
  9. Gostei, interessante a Historia e as Fotos. Também não
    sabia do antigo nome da UERJ.

    ResponderExcluir
  10. Gostaria de saber se existem fotos das casas que pertenciam ao Pateo da Estação de são Cristovão nos anos 40 50 e 60.

    ResponderExcluir
  11. amigos sou testemunha da historia do esqueleto , a favela teve inicio em 1945 termino da querra sou teste munha mudamos do morro da favela (providencia ) quando chegamos aquela área tinha diversos campos eu tinha onze anos nem agua tínhamos eu apanhava agua na torre na praça (elevatória) e ali onde construíram o estádio era um quartel do exercito e antes do quartel foi o derb club corrida de cavalos joguei muinta pelada encostado aos muros do quartel aq construção do estádio começou eu já tinha 15/16 anos o esqueleto que deu nome ao lugar foi moradia dos operários que chegaram do nordeste a gente chamava de paraíbas coitados eles eram vitimas dos malandros da época aos sábados depois do pagamento no jogo de caipira ficavam sem dinheiro, e desculpeme os erros do entusiasmo de poder aproveitar esta oportunidade de contar, vi toda historia ate o desmonte da favela vcs fiquem sabendo que nas fundações abandonadas dos prédios começadas por Pedro ernesto se formaram uma lagoa aonde a gente se alimentava com peixes ,carà e traira em e no mesmo tempo que começaram as obras dos prédios que formou a uerg começou também o hospital Pedro ernesto na 28 de setembro que saudade desculpeme o entusiasmo

    ResponderExcluir
  12. Eu nasci dentro da favela em um barraco ao pé do esqueleto, ja vi uma foto q era de frente para o meu barraco. o meu beco dava na rua das crianças e que era uma vicinal da rua união a qual ia dar na antiga Turf Clube, hoje nome de jornalista se muinto me engano Waldir Amaral. Tmbem peguei agua no elevatório q chamavamos de açude.

    ResponderExcluir

Muito obrigado por comentar em meu blog. Se gostou, lhe convido a segui-lo. Abraço.