segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

FAVELA DO ESQUELETO / UERJ

Favela do Esqueleto foi uma favela que existiu até o início da década de 60 do século XX no local onde hoje encontra-se a UERJ, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, no bairro do Maracanã, zona norte do Rio de Janeiro. Graças ao então polêmico governador da Guanabara Carlos Lacerda, a favela foi removida e seus moradores foram assentados, em sua maioria, para a zona oeste da capital fluminense, mas precisamente em Bangu, em Vila Kennedy.



Favela do Esqueleto (Atual UERJ) - Início dos Anos 30


Favela do Esqueleto (Atual UERJ) - Anos 50


Favela do Esqueleto (Atual UERJ) - 1957



UERJ – Final dos Anos 60


Nessa foto vemos em primeiro plano o início dos trabalhos de sondagem e fundação da UERJ.

Ao fundo vemos em destaque o Esqueleto, estrutura nunca concluída de uma das alas de um enorme hospital que seria construído incialmente pela inciativa privada e posteriormente pelo poder público e que nunca passou do esqueleto incompleto de um dos prédios imaginados do que seria o Hospital das Clínicas da Universidade do Brasil.

A favela começou a surgir logo após da construção do Maracanã, quando o terreno foi invadido, incialmente os barracos foram sendo construídos em torno do esqueleto, parte de melhor terreno, mas em poucos anos a favela já era uma das maiores da cidade e possuia uma enorme quantidade de tipos de barracos. Dos mais elaborados, quase casas populares, passando por barracões de madeira, bem estruturados até precárias palafitas em uma área pantanosa num dos braços do Rio Joana. Também haviam barracos do tipo apartamento dentro da estrutura abalada do esqueleto, que havia sofrido seguidos incêndios.

Na época da nossa foto a favela já havia sido removida e vemos as sondagens para a construção dos blocos que formam o Pavilhão João Lyra Filho, atrás vemos o velho esqueleto em obras para se transformar no Pavilhão Haroldo da Cunha Lisboa.

O Pav. Haroldo da Cunha Lisboa é um marco da recuperação estrutural à época, pois os engenheiros da Guanabara além de restaurarem uma estrutura aparentemente condenada permitiu-se a construção de mais um andar sobre ela, o que vemos na foto.

Todos sabem que a região sempre foi complicada, sendo o desague da água que vem pelas bacias dos Rios Trapicheiros, Joana e Maracanã, descendo pelos vales da grande Tijuca desde o Alto da Boa Vista, até encontrar a área de baixada, onde não só a UERJ está instalada, mas também o Maracanã, e boa parte da região dos Bairros do Maracanã e Praça da Bandeira, que formavam um mangal há muito tempo atrás.

A condição de salubridade da Favela do Esqueleto demonstrava bem a característica da região, pois vários trechos da favela eram construídos em palafitas.

Para contornar esse problema, os engenheiros da Guanabara, além de promoverem o aterro de uma parte do terreno, criaram gigantescas galerias de águas pluviais para drenar não só o excesso das águas das chuvas como também dissecar um pântano formado por um pequeno braço do Rio Joana que passava pelo local, além de conduzi-lo.




UERJ - Início dos Anos 70